Dr. Ronan-Porque sou contra a renúncia de Cornélio prefeito de São Miguel do Guaporé

31/08/2017

Na sessão da última segunda-feira, alguns vereadores ocuparam a tribuna da Câmara de Vereadores de São Miguel do Guaporé pleiteando a renúncia do atual prefeito do município Cornélio Duarte, que tomou posse recentemente, ou seja, dia primeiro de janeiro de 2017. Não há motivos para que o prefeito seja afastado do cargo e, principalmente, ele jamais vai renunciar, pois o fato de ele ser fraco como administrador não é motivo impeditivo para continuar como chefe do poder executivo municipal de São Miguel do Guaporé.

 

Na campanha passada, atuei como assessor jurídico da candidatura de Zenildo Pereira, o que fiz de forma voluntária por achar que o ex-prefeito fez o ótimo trabalho em prol da comunidade e mudou a “cara” de São Miguel do Guaporé. Zenildo exerceu o mandato com maestria e certamente foi um dos únicos prefeitos do Brasil que encerrou seu mandato sem nenhum processo nas “costas”, o que prova ser um administrador honrado, competente e extremamente honesto, para não dizer outros predicados, como simples, humilde e cristão, participando da mesma região da qual faço parte: catolicismo.

 

Para mim, foi uma surpresa a derrota de Zenildo para o Cornélio e que com a contagem dos votos do dia da eleição, ocorrida em 02 de outubro de 2016, jamais acreditaria que o meu amigo e colega ex-prefeito perdesse com uma diferença de votos muito grande, deixando muita gente incrédula e outras felizes da vida por ter conseguido derrotar Zenildo para um candidato que não teve apoio de quase nenhum vereador, de muitos parlamentares e autoridades estaduais, que resolveram abraçar a candidatura adversária, do ex-prefeito petista.Pois bem. Passados oito meses de mandato de Cornélio Duarte, só se houve choradeira pelo trabalho desenvolvido até agora pelo atual prefeito, o que tem causado revolta dos eleitores, principalmente aqueles que acreditaram no atual administrador e também dos atuais vereadores, que, em sua grande maioria, pedem a sua renúncia como chefe do poder executivo municipal.

 

Antes das eleições, todos já conheciam o passado político de Cornélio Duarte, como vereador e como prefeito por dos meses de São Miguel do Guaporé, sem falar da APAE, sendo administrador desta gloriosa instituição que lida com pessoas excepcionais e que durante algum período, Cornélio não conseguiu fazer um trabalho a contento. Zenildo perdeu porque naquele momento, havia um ódio exacerbado da população contra o Partido dos Trabalhadores e também pelo fato de que se escolheu um vice que não tinha a simpatia do maioria do eleitorado do município.

 

Teremos que aguentar o atual prefeito por quatro anos como prefeito de São Miguel e até o dia 31 de dezembro de 2020, porque ele vai continuar administrando o município da forma como está ocorrendo: mais parado do que tartaruga. Os eleitores que votaram maciçamente na vitória de Cornélio e hoje estão arrependidos, não têm motivo para reclamar o fato de ter escolhido um administrador que não sabe administrar, um político que não sabe fazer política e um chefe de um poder que não dialoga com o outro poder, qual seja, o legislativo de São Miguel do Guaporé. Na campanha, Cornélio se elegeu fazendo campanha contra o poder legislativo e disse que não precisaria dos vereadores para administrar o município, fato esse inque stionável e presenciado nas falas dele nas reuniões e comícios na cidade e nas linhas.

 

O que os vereadores de São Miguel precisam fazer é parar de gozar diárias para viajar para outros municípios sem nenhuma necessidade, como Porto Velho, e ajudar a economizar nos gastos públicos, para que o município tenha melhores condições financeiras para poder investir em obras que tragam dividendos para a comunidade. Se os atuais vereadores, em sua grande maioria, estão insatisfeitos como o atual prefeito, promovam então audiências públicas nas linhas e convidem a população para debater como investir dinheiro público em obras prioritárias e fazer pressão junto ao executivo no sentido de que sejam feitas as melhorias tão esperadas pela população, como, por exemplo, melhorar o atendimento no hospital, patrolament o das linhas, corte dos funcionários sem concurso público, os chamados portariados, aqueles que conseguiram emprego pelas portas dos fundos, etc.

Os vereadores de São Miguel não têm o que reclamar: ganham um salário exorbitante, “trabalham” trinta minutos por semana, viajam com diária paga pelo legislativo sem nenhuma precisão, aumentando e engordando o salário dos “nobres vereadores”. Como sugestão, caso queiram ajudar, façam renúncia de seus próprios salários e dêem exemplo a outras câmaras de vereadores e parem de fazer discurso vazio de que pedido de renúncia do atual prefeito rende apoio popular. Aliás, os senhores vereadores que embarcarem nessa idéia de apoiar a renúncia de Cornélio, estão fazendo um desserviço à população de São Miguel, porque essa embromação parlamentar só irá causar prejuízo de ordem de crescimento da cidade e vai afugentar que empresas se estabeleçam na cidade, pois nenhum empresário investe em um município que não há normalidade entre os dois principais poderes que representam as aspirações do povo. Discurso demagogo não enche barriga e aproveitam as sessões de segunda-feira, senhores vereadores, para porem em pauta diminuição de seus salários, cortes de comissionados, eliminação de 80% das diárias e fim do discurso sem sentido, que não ajuda o município a se desenvolver. Portanto, casa legislativa de São Miguel, faça sua parte e honre os votos recebidos de seus eleitores, com trabalho de excelência para fazer deste município tão bom quanto era administrado por Zenildo Pereira, que foi derrotado porque não teve a compreensão da maioria dos eleit ores e agora choram o seu retorno como prefeito do município, o que poderá acontecer somente a partir do dia primeiro de janeiro de 2021, caso saia candidato e vença as eleições municipais vindouras.

 

Dr. Ronan Almeida de Araújo é jornalista e advogado militante na comarca de São Miguel do Guaporé. 

 

Fonte: Planeta Folha - por Dr. Ronan Almeida de Araújo